Street skate: um guia sobre as origens e os atributos do estilo

Desde os primeiros coletivos de skate, lá em Venice Beach, na Califórnia, o skate carrega uma pegada underground. Mas conforme o tempo foi passando, o esporte foi adquirindo cada vez mais destaque, especialmente com eventos gigantes como os X-Games, que traziam as modalidades de skate vertical para outro nível.

Mas o jeito de andar que certamente a maioria dos apaixonados pelo board conheceu no início de sua jornada foi o skate street, que está presente em toda comunidade de skatistas, como uma forma livre e original de fazer seu rolê e curtir com os amigos. Conheça um pouco mais sobre esse estilo tão admirado nos dias de hoje.

As origens do street skate

O skate nasceu como uma adaptação do surfe, misturado com as rodinhas de outros brinquedos, uma maneira de simular o deslize sobre as ondas, mas andando nos calçadões das praias.

A cultura do skateboarding sempre foi muito ativa, independente e criativa no improviso: a evolução dos modelos de boards é um produto dos próprios skatistas, assim como o surgimento de diferentes modalidades.

Homem sentando no chão amarrando o cadarço

Ainda sob o sol californiano, muitas comunidades já levavam o skate para além dos calçadões da praia, para as áreas mais remotas da cidade, pequenos parques industriais e galpões, em regiões mais suburbanas, de pessoas que não eram tão frequentadoras das praias.

O street skate é uma expressão mais urbana do skateboarding que antes era praticado nos calçadões e skateparks, que eram pouco acessíveis ou caros para uma grande parte dos skatistas.

Já o street utiliza todos os obstáculos reais e urbanos como gaps oportunos para criar e improvisar manobras; corrimãos e meio-fios, os espaços concretados como superfície flat para lançar manobras mais estacionárias.

Para curtir os melhores obstáculos naturais da cidade, os skatistas criavam comunidades cada vez maiores, com revistas independentes, que organizavam eventos e indicavam os melhores spots para dar rolê, além de usar o espaço para criar uma expressão gráfica e estética original, que ficaria imortalizada.

Na mesma época em que o skate vertical ficava popular no mundo dos esportes e no cinema, o street também surgia com força nos centros urbanos como uma expressão do underground, junto de outros movimentos urbanos, como o hip hop, o slam, o grafite, o hardcore punk e foi também um dos principais elementos para estabelecer o estilo do streetwear.

O streetwear como expressão do skate street

As origens suburbanas do skate street se mostram especialmente nas roupas: uma das principais marcas do skate, a Vans, começou como uma fábrica de sapatos industriais.

Muitos skatistas precisavam de roupas com caimento mais folgado para mandar suas tricks com liberdade. As calças cargo, comuns na indústria também ganharam destaque, assim como as camisas de flanela e camisetas de algodão oversized.

Sholder bag preta sendo segurada

Muitas das principais grifes de streetwear se baseiam até hoje nos modelos mais tradicionais. Outras peças do streetwear, como os casacos de moletom e tênis dunk, de basquete, também foram herdadas de outras expressões do street.

Juntas, essas comunidades criaram uma identidade visual forte e, mais do que isso, uma expressão fraterna, amigável, que em muitos momentos foi hostilizada pelas forças de segurança pública, que tratavam o uso dos skatistas do espaço público como depredação e chegavam a causar embates nas ruas contra os praticantes.

Tudo isso transformou profundamente a comunidade, que sobrevive firme em todos os espaços urbanos, de maneira fraterna e independente.

O setup do street skate

No street skate a grande maioria das manobras são para sobrepor obstáculos ou lançar tricks no tipo flat, direto no chão, como os ollies, fllips, 50-50 e afins. Isso exige uma precisão muito grande, o que torna os shapes com mais concavidade e menos largura ótimas opções.

Homem de sholder bag e cata ovo

Já as rodas precisam ser mais macias, para deslizar por diferentes superfícies sem muita vibração e, claro, para não tomar um rola ao passar por pedrinhas. Rodas mais largas e macias são recomendadas para se locomover com o board pelas e ruas e, como a precisão é mais importante que a velocidade, rolamentos de abecs menores, que têm menos rolagem, vão fazer um ótimo par com as rodas.

Você é adepto do skate street? Quais são os melhores picos para dar um bom rolê aí na sua cidade? Compartilhe nos comentários e assine nossa newsletter para receber mais conteúdos sobre skateboarding e acesse a loja da Postal para montar seu skate street e conferir o melhor do streetwear!

Deixe um comentário